Winter vai pedir nulidade da CPMI das Fake News

Prisão de Luciana Ayan motivou decisão da defesa da ativista

A prisão de Carlos Augusto de Moraes Afonso, conhecido como Luciano Ayan, que é apontado por disseminar notícias falsas e ameaçar quem questiona as finanças do Movimento Brasil Livre (MBL) serviu de catalizador para que a defesa da ativista Sara Winter peça a nulidade da CPMI das Fake News. Em nota à imprensa, os advogados acusam Ayan de ser “guru e fornecedor de informações à CPMI e ao STF”.

– Assim, mesmo de pleno conhecimento prévio da defesa e de qualquer pessoa com discernimento médio, são ainda mais fortes as evidências de nulidade de todas as provas colhidas e apresentadas por esse cidadão, através de dois deputados federais, e agora preso, o que se chama no direito que tais provas são “frutos da árvore envenenada” ou seja, imprestáveis juridicamente, pois foram fornecidas por essa pessoa disseminadora de fake news e conduta reprovável – informou a nota.

A defesa de Sara Winter e dos demais presos pela Operação Lume, que têm apoiadores do presidente Jair Bolsonaro como alvos, informou que tomará todas as medidas cabíveis a partir desta segunda-feira (13). Também serão aplicadas medidas judiciais contra quem contribuiu “para a destruição de suas intimidades, imagens e reputações”.

Siga-nos no Twitter

Este é o Painel DN

O Painel DN é um veículo jornalístico conservador, com a missão de levar ao leitor notícias diárias, análises e comentários sobre os fatos mais relevantes relacionados a assuntos políticos, econômicos, internacionais, sociais e culturais. O jornalismo do Painel DN entende que a transmissão e relato fidedigno dos fatos constituí a missão mais importante da atividade jornalística, já que a opinião pública em qualquer democracia se forma justamente através das notícias.

Newsletter Gratuita

Não perca nenhuma notícia.

Inscreva-se em nossa newsletter gratuita e receba em primeira mão as notícias mais importantes.

Veja nossas  Políticas de Privacidade

Matérias Relacionadas