Otimismo sobre relações raciais é maior no governo Trump do que no de Obama

Pesquisa recente mostra que 34% dos americanos consideram as relações raciais nos Estados Unidos como boas ou excelentes.

Ao longo dos três anos de mandato do presidente americano Donald Trump, a grande mídia dedicou muita atenção a um suposto ”aumento” de crimes de ódio racistas contra negros e outras minorias étnicas nos Estados Unidos. Mas, ao que parece, essa narrativa muito difundida esta desmentida por uma recente pesquisa que revela um alto índice de otimismo sobre as relações raciais no país. As informações são do Infowars.

Mas, assim como muitos dos chamados crimes de ódio são desmascarados como trotes, uma nova enquete sugere que os americanos não estão comprando a narrativa de notícias falsas sobre os EUA cada vez mais racistas.

De acordo com os relatórios Rasmussen:

”Os americanos estão mais otimistas sobre as relações raciais neste país do que há vários anos”.

Uma nova pesquisa nacional feita por telefone e on-line da Rasmussen Reports conclui que 34% dos adultos americanos classificam as relações raciais nos Estados Unidos como boas ou excelentes, correspondendo á mesma alta registrada anteriormente no ano de 2014.

Para referência, o índice registrado durante a administração de Trump é duas vezes maior do que foi verificado durante o último ano de governo do ex-presidente Barack Obama, o primeiro presidente negro do país.

Os 34% que estão otimistas com as relações raciais no país hoje superam em número os 25% de um ano atrás e também superam o índice de 18% em 2016, último ano da administração Obama na Casa Branca.

A pesquisa foi feita com 1.000 pessoas, que foram questionados em 19 e 20 de janeiro deste ano, e os resultados têm uma margem de erro de 3%.

Já o índice de entrevistados que enxergam as relações raciais no país como ruins ficou na casa dos 31%. Segundo a pesquisa divulgada nesta sexta-feira(25.01):

“Trinta e um por cento (31%) ainda vêem as relações raciais ruins, consistentes com as descobertas dos últimos anos, mas acima dos 15% registrados em 2011”.

Outra narrativa que também parece difícil de ser sustentada é a de que os crimes de ódio contra muçulmanos teriam aumentado durante o governo Trump. Em novembro de 2019, dados do FBI foram divulgados e mostraram na verdade que os crimes de ódio anti-muçulmano sob Trump estão abaixo dos níveis registrados durante o governo Obama em 2014.

”De acordo com os números: dos 4.571 ataques relatados, o bureau rastreou que os ataques agravados aumentaram 4%, os ataques simples aumentaram 15% e a intimidação 13%. O relatório também mostra que os ataques contra muçulmanos, árabes e afro-americanos diminuíram, enquanto a violência contra os latinos aumentou.

O relatório diz que 485 crimes de ódio foram relatados contra latinos em 2018, em comparação com 43 em 2017.

270 crimes de ódio foram relatados contra muçulmanos e árabes americanos – o mais baixo desde 2014.

1.943 crimes de ódio foram relatados contra afro-americanos – o menor desde 1992”.

Siga-nos no Twitter

Este é o Painel DN

O Painel DN é um veículo jornalístico conservador, com a missão de levar ao leitor notícias diárias, análises e comentários sobre os fatos mais relevantes relacionados a assuntos políticos, econômicos, internacionais, sociais e culturais. O jornalismo do Painel DN entende que a transmissão e relato fidedigno dos fatos constituí a missão mais importante da atividade jornalística, já que a opinião pública em qualquer democracia se forma justamente através das notícias.

Newsletter Gratuita

Não perca nenhuma notícia.

Inscreva-se em nossa newsletter gratuita e receba em primeira mão as notícias mais importantes.

Veja nossas  Políticas de Privacidade

Matérias Relacionadas