Dilatando a Fé e o Império

Alguns fatos poucos conhecidos sobre a relação de índios e portugueses na História do Brasil.

As armas e os barões assinalados,

Que da ocidental praia Lusitana,

Por mares nunca de antes navegados,

Passaram ainda além da Taprobana,

Em perigos e guerras esforçados,

Mais do que prometia a força humana,

E entre gente remota edificaram

Novo Reino, que tanto sublimaram;

– Luís de Camões[1]

inda nos dias de hoje muito se discute sobre como se deram as relações entre índios e portugueses no início da nossa história, e esta aponta algumas questões que normalmente são esquecidas pela narrativa que predomina nos dias de hoje, a qual diz que o índio só serviu como instrumento de trabalho e que foi explorado até as últimas conseqüências com o consentimento geral de que, por ser uma raça inferior, os nativos não só poderiam, mas deveriam ser subjugados.

Faz-se necessário esclarecer que não é aceitável negar que a exploração desses povos foi um fato lamentavelmente recorrente durante o período colonial, sobretudo no início do estabelecimento dos colonos. O que pretendo esclarecer aqui é o papel do governo português e da Igreja nesse processo, que, para contragosto dos adeptos da narrativa predominante, não foi de suporte, mas sim de combate. 

E também as memórias gloriosas

Daqueles Reis, que foram dilatando

A Fé, o Império, e as terras viciosas

De África e de Ásia andaram devastando;

E aqueles, que por obras valerosas

Se vão da lei da morte libertando;

Cantando espalharei por toda parte,

Se a tanto me ajudar o engenho e arte.[2]

Quando lemos a Certidão de Nascimento do Brasil, a Carta de Pero Vaz de Caminha, vemos a seguinte proposição: “[…] o melhor fruto que desta pode tirar parece-me que será salvar esta gente. E esta deve ser a principal semente que Vossa Alteza em ela deve lançar”.[3] Em uma avaliação simples mas sincera, já poderíamos perceber daí que, mesmo que de primeiro momento, houve sim uma boa intenção dos portugueses para com os nativos. Muitos optam por enxergar o desejo do português de converter o índio e de levá-lo a civilização como uma afronta à sua liberdade – liberdade que, vale ressaltar, a Igreja Católica sempre defendeu em documentos oficiais –, mas se considerarmos que a fé, para o colonizador, era o bem maior que possuíam e nem ouro nem prata valiam a salvação da alma, esse desejo deixa de parecer algo tão perverso e se mostra até nobre e altruísta.

Em uma sexta-feira, 1º de Maio, houve a primeira missa no Brasil, realizada pelo Padre Frei Henrique, e chama a atenção o que Pero Vaz relata em sua carta sobre o episódio: acompanhando a procissão, que procurava um bom lugar para firmar a grande cruz de madeira e realizar a missa, estavam cerca de cinquenta ou sessenta deles, e a iniciando os nativos não só assistiam como participavam, imitando os atos dos devotos durante todo o tempo em que se davam os ritos, ora ajoelhando-se, ora levantando-se, ora apontando aos céus, etc. Caminha até diz ao rei em sua carta que, devido a inocência dos nativos, não tinha dúvidas de que logo que pudesse haver comunicação entre eles, a conversão seria imediata, pois não aparentavam possuir crença ou algo parecido. Advertia também, como já ressaltado, ao rei que esta deveria ser a principal preocupação dele: levar a salvação àquela gente. [4]

Nos primeiros anos o convívio seria amistoso entre ambos, posteriormente o português passaria a pagar o índio com bugigangas pelos seus serviços – evidentemente que a troca foi menos simplória, pois o português possui coisas que eram novidades para os índios (armas de ferro, por exemplo) e que, por isso, aceitavam de bom grado –, até que o nativo começasse a ser comercializado.[5] 

A resposta da Igreja vem assim que os primeiros escravos começam a chegar na Europa. Em 1537 duas bulas são lançadas pelo papa Paulo III: Veritas Ipsa, que condenava o ato dizendo que o índio era racional, livre por natureza e não deveria ser escravizado; e a outra, intitulada Sublimus Dei, que chama muito a atenção por estabelecer que o índio deveria ser livre mesmo que não professasse a fé em Jesus Cristo. O papel da religião, representada principalmente pelos jesuítas, é muito evidente na figura do Padre Antônio Vieira.

Hernâni Donato, em seu livro Brasil 5 Séculos, afirma categoricamente que nem papa e nem o rei sustentaram a escravidão. O rei João III (1502-1557) foi bem claro com Tomé de Sousa, primeiro Governador-Geral do Brasil, quando disse que o gentio deveria ser bem tratado e que quem fosse pego escravizando-o, seria condenado à pena de morte. ”D. Sebastião, em carta régia de 1566 tentou quebrar a fúria da caçada ao homem americano. Em 1570 Lisboa emitiu a lei que declarava livres os aborígenes”. Filipe I de Portugal e II da Espanha (1527-1598) proibiu o apresamento de índios e definiu que somente se aceitaria a guerra contra o nativo se esta fosse declarada pelo próprio rei. Donato ainda afirma: ”Faça-se justiça: os reis portugueses tentaram”.[6]

O que acabaria acontecendo é que, como atesta Auguste de Saint-Hillaire[7] e tantos outros, os colonos frequentemente achariam jeitos de burlar essas leis, criando muitas vezes um conflito que veríamos entre religiosos/governo e colonizados x colonos. Conflito evidente que nos confirma João Camilo de Oliveira Torres: ”Desde o período colonial, é visível o empenho da metrópole em defender os moradores contra o arbítrio das autoridades locais, em abrigá-los na sua ‘vida, honra e fazenda’, como disse frei Rafael de Jesus, o que equivalia a assegurá-los nas suas liberdades civis”.[8]

Há algum tempo essas informações eram de conhecimento comum entre os historiadores (ao menos os mais antigos), e se coloco um ou outro autor para atestar isto é justamente para evidenciar que essas coisas não são desconhecidas historicamente, só são frequentemente esquecidas. Cabe a nós pensarmos o porquê. Por que colocar o Descobrimento sempre como uma tragédia? Por que querer colocar o Cristianismo como pilar de um suposto processo de exploração e destruição de diferentes povos se, buscando nas fontes, a história nos mostra outra coisa? As respostas existem e até são evidentes, basta que as procuremos.

NOTAS:

[1] CAMÕES, Luís de. Os Lusíadas. Canto I, verso I.

[2] Ibidem. Canto I, verso II.

[3] CALMON, Pedro, História do Brasil. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio Editôra, 1959. Vol. 1.

[4] Ibidem. 

[5] Não é a intenção aqui desconsiderar as diferentes relações existentes entre o colonizador e o nativo, já que estes eram tão diferentes uns dos outros como pode-se supor, havendo dos mais pacíficos aos mais radicais, etc. A complexidade das relações entre nativos e colonos/colonizadores é muito grande para que simplesmente os encaixemos em grupos diferentes e opostos. Em alguns casos, tribos se aliaram aos estrangeiros, em outros os enfrentaram, caçaram ou mesmo os devoraram. Se em muitos casos os jesuítas e mesmo pessoas comuns conseguiriam conviver nas tribos tranquilamente, há relatos, ainda no século XIX, de tribos que aterrorizavam o sertão goiano e mesmo impediam a navegação nos principais rios da antiga província.

[6] DONATO, Hernâni. Brasil 5 Séculos. 2ª Edição. São Paulo: Green Forest do Brasil Editora, 2000.

[7] SAINT-HILLAIRE, Auguste de, Viagem às nascentes do rio S. Francisco e pela província de Goyaz. São Paulo: Companhia editora nacional, 1937. Tomo I. 

[8] TORRES, João Camilo de Oliveira. Estratificação Social no Brasil. Brasília: Edições Câmara, 2018. p. 101.

Siga-nos no Twitter

Este é o Painel DN

O Painel DN é um veículo jornalístico conservador, com a missão de levar ao leitor notícias diárias, análises e comentários sobre os fatos mais relevantes relacionados a assuntos políticos, econômicos, internacionais, sociais e culturais. O jornalismo do Painel DN entende que a transmissão e relato fidedigno dos fatos constituí a missão mais importante da atividade jornalística, já que a opinião pública em qualquer democracia se forma justamente através das notícias.

Newsletter Gratuita

Não perca nenhuma notícia.

Inscreva-se em nossa newsletter gratuita e receba em primeira mão as notícias mais importantes.

Veja nossas  Políticas de Privacidade

Matérias Relacionadas

Globalismo

O dinheiro por trás do movimento transgênero

O bilionário George Soros abre sua carteira para transformar a América

Feminismo

A rejeição dos homens sul-coreanos ao feminismo

Raça

Intelectuais e raça – o estrago incorrigível

Marxismo

Idéias chocantes defendidas por Marx que seu professor de esquerda não te contou

Totalitarismo

O fascismo e o nazismo não são tão diferentes do socialismo como você imagina

Chile

Conheça José Antônio Kast, o “Bolsonaro” chileno

Literatura

Da necessidade da leitura

PT

O patrocínio de Chávez e Kaddafi á Lula

educação

O patrono dos idiotas: como Paulo Freire e pedagogos progressistas subverteram a educação

Chile

5 razões pelas quais o Chile capitalista é melhor que a Venezuela socialista

Banditismo

Os vínculos entre a esquerda e o crime organizado no Brasil

Terrorismo

Antes de Osama Bin Laden, Che Guevara planejou ataques terroristas contra os EUA

Pim Fortuyn

Pim Fortuyn: O político holandês assassinado por criticar o Islã

Alberto Nisman

Um cadáver que assombra Cristina Kirchner

Augusto Pinochet

Como Augusto Pinochet impediu a comunização do Chile

Crime

Maioria dos brasileiros é a favor da redução da maioridade penal

Argélia

Em 10 anos número de cristãos aumenta de 10 mil para 500 mil na Argélia

Crime

Em Nova Iorque, política de ”tolerância zero” reduziu drasticamente número de crimes

EUA

James O’Keefe: o homem que desmascarou a grande mídia

Holanda

Pim Fortuyn: o político holandês de direita assassinado por criticar o Islã

Filosofia

É preciso coragem para viver?

Agustín Laje

Agustín Laje: “A ideologia de gênero é uma decisão imposta por trás das costas das pessoas”

Memorial à Criança Não Nascida é obra do artista eslovaco Martin Hudáček
Aborto

Escultura retrata mãe que se arrependeu de abortar

Drogas

Cannabis é pior para o cérebro do que álcool, aponta estudo

Estudo

As manobras da ideologia de gênero para ensinar mentiras a seu filho